InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Compartilhe | 
 

 Welcome To The Hell [Repostagem revisada]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Rie Kira

avatar

Mensagens : 34
Pontos : 50
Data de inscrição : 20/09/2010
Idade : 25
Localização : Nowhere land

MensagemAssunto: Welcome To The Hell [Repostagem revisada]   Sab Out 22, 2011 8:54 pm






Categorias: Darkfic, Deathfic, Ação, Aventura, Terror, Amizade, Fantasia, Horror, Tragédia, Mistério, Suspense.
Censura: +18
Avisos: Sexo, Nudez, Estupro, Drogas, Álcool, Linguagem imprópria, Mutilação, Violência, Tortura.

Sinopse: Uma guerra entre anjos e demônios onde os seres espirituais se unem em lados divergentes de bem e mal, combatendo com aqueles que se opõe a cada conceito e se intrometem em cada caminho, banho de sangue e destruição de almas corrompidas em meio a uma sociedade idealista que não acreditava no sobrenatural.
A guerra se inicia no meio da Terra, pois quem tiver mais almas e aliados vence a batalha. E pra você... Quanto vale sua alma?


Obs.: É, milagre eu estar aqui, um anjo, oi. Então, eu escrevi mais umas coisas na faculdade depois de largar de mão. Eu vou ir postando os outros, talvez eu mude alguma coisa, slá. Nem eu lembrava da minha fic e tive que reler, espero que leiam de novo. Vou aumentar uns capitulos e colocar as coisas que eu pensei. Logo eu chego lá. Entro nem que for só pra postar a fic (: Mas alguns objetivos meus mudaram, então o rumo é outro.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Rie Kira

avatar

Mensagens : 34
Pontos : 50
Data de inscrição : 20/09/2010
Idade : 25
Localização : Nowhere land

MensagemAssunto: Re: Welcome To The Hell [Repostagem revisada]   Sab Out 22, 2011 9:01 pm

Prólogo



No início da formação da humanidade os seres espirituais já existiam por todos os lados. Às vezes porque você crê em certa religião ou cultura você acaba pensando que nada que os outros falam, que seja divergente à sua crença, seja real... Ai que mora o perigo... A maioria das pessoas se engana porque creem em algo e automaticamente acha que é inexistente a variedade de poderes místicos. Você pode muito bem crer em Deus e não confiar sua fé a, por exemplo, seres espirituais, mas não duvide nunca da existência dos mesmos.
O mundo espiritual é tão diverso quanto o mundo humano, aqui temos seres malignos e seres benignos, aqueles que presam pela vida humana e aqueles que anseiam por suas almas e corpos, alimentando-se deles.
Anjos, arcanjos, exorcistas, demônios, shinigamis, youkos, youkais, tengus, guardiões, ninfas, náiades, dríades, espíritos das águas, Kami-sama (o próprio Deus), buda, Lucífer, Zeus, Hades, Poseidon e os outros deuses gregos, Loki, Thór, Odin e os deuses nórdicos, seus seguidores espirituais e todos os credores que os dão a existência.
O poder que se encontra acima dos humanos é mais que apenas céu e inferno, existem seções, setores onde cada um comanda algo, as camuflagens para que os humanos possam escolher no que acreditar. Existem regras e infelizmente por uma profecia essas regras estão há um triz de serem quebradas.

- Chamem Rie Kira!

E esse foi o começo de meu tormento... O meu chamado.

Rie: *curvando-se em frente ao trono de Kami-sama* O senhor me chamou?

A voz potente e estrondosa soltou um leve suspiro e depois se pronunciou.

- Rie... Meu filho... Por mais que você não seja um ser espiritual de meus domínios, eu o acolhi com toda minha piedade...

Rie: Sim senhor, e sou mais do que grato por isso. Não sou exatamente um anjo, ou um guardião, mas o senhor me fez um, como se desde o início eu pertencesse a esse lugar.


- E você pertence, meu rapaz. Mas já é chegada a hora de você ir em missão. Uma grande guerra se forma e preciso de meus homens mais confiáveis e íntegros na terra para que possamos combater a rebelião que alguns seres do inferno, os espíritos sedentos por almas e os deuses Nórdicos, aos quais designamos o mesmo poder, mas por conta da crença da humanidade, esses tem menos força, estão tramando.



Senti-me lisonjeado, ir em missão para a terra era uma honra, uma honra muito perigosa.

Rie: Senhor... Sem querer questiona-lo. Eu nem tenho asas... Como posso ir a terra em missão com seus anjos e arcanjos?

- Ah Rie... *suspirou* Gregos são mesmo complicados...

Um baque de luz me atingiu e achei que fosse ficar cego pelo insolência de questionar o meu senhor, mas quando a luz cessou eu me sentia diferente.

- Abra os olhos, servo meu. Não há o que temer.

Abri os olhos vagarosamente, a luz havia me incomodado com extrema força a ponto de fazer meus orbes ficarem irritadas, agora meus olhos semiabertos lacrimejavam de forma abundante.

- Você é merecedor do que lhe concedi. Apenas honre meu nome e cumpra sua missão. Os seres que estão ao nosso lado são a sua antiga família, ao menos os deuses de poderes bons, Tánatos, Fobos, Deimos e companhia ainda não se manifestaram. Hades prefere manter-se na dele para não começar uma segunda guerra em meio a essa, pois não quer lidar com os irmãos olimpianos. Os Tengus, dos clãs mais fortes, os que não tem necessidade de se alimentar das almas humanas estarão conosco, os youkos provavelmente farão o que lhe for mais conveniente, assim como Hades, os youkais de porte menor, que são tão descontrolados quanto aqueles demônios e aqueles comedores de almas imundos, irão com certeza nos dar trabalho, mas a sua equipe será formada para que não venha ter problema com nenhum dos tipos.

Rie: Se não for ousadia minha perguntar senhor... E o Set? Ele era do clã dos Youkos, não?

- Seu amigo teve uma prova de coragem, Rie. Ele lutou por, passou por um desafio e o líder da espécie dele lhe concedeu as asas negras e uma forma espiritual definitiva... Ele tornou-se um tengu imortal... Ainda não sei como aquele rapaz que não leva nada há sério conseguiu esse feito, mas nunca compreendi o jeito de lidar com os youkais mesmo. Sou onisciente, mas esses seres espirituais não tem uma mente ao certo para serem compreendidos, nem eles mesmos se entendem.

Fiquei feliz pelo Set... Mais que feliz, fiquei orgulhoso, aquele idiota nunca leva nada a sério o bastante pra se dedicar e se destacar, mesmo com todo potencial que ele tem.

Rie: Ele pode não levar a sério na maior parte do tempo, mas quando quer ele sabe ser determinado. O Set tem uma grande força interior. *ainda de cabeça baixa*

- Ah, sim. Eu sei disso... Mas, meu filho, não acha que já está na hora de reparar em sua nova forma?

Apenas assim para me lembrar. Levantei a cabeça, sem direcionar os olhos diretamente a Kami-sama, sua luz é tão intensa que não é possível encara-lo de frente sem sua permissão, senti um peso em minhas costas ao levantar, estiquei o braço pra tocar aquele ponto e percebi algo... Asas.

Rie: E-Eu sou... Eu sou um anjo?

- Um ser espiritual com asas... É pode ser chamado de anjo, mas você diferentemente dos outros tem sua forma humana a seu dispor. Fora que meus anjos não são diferentes em nenhum ponto, mesmo o arcanjo Gabriel tendo esse nome, ele não é exatamente um homem... Algo que você é.

Ser filho de Eros tem suas vantagens...

- Claro que ser filho de um deus grego tem suas vantagens, mas com a minha benção e sua escolha, vamos muito além disso.

Kami-sama, claro... Ele sabe tudo, ouve tudo, vê tudo.

- Em sua estada na terra, quero que além de sua missão de batalha, você cumpra uma missão a parte.

Rie: Eis-me aqui para cumprir qualquer dever que a mim for designado, meu senhor *curvando-se*

- Acho que já está na hora de você ir procurar sua irmã, agora mais do que nunca ela precisa de você.

Fiz a idiotice de levantar a cabeça e olhar diretamente a Deus, meus olhos sentiram logo o contato com tão forte luz e eu baixei minha cabeça novamente.

Rie: M-Minha irmã? Eu... Eu tenho permissão sagrada para vê-la?

- Agora tem... Você sempre soube dela, mas nunca a viu. Está com 17 anos agora Rie... Você pode e deve estar com ela, afinal, mesmo com seu pai olhando por ela e eu também, ela é só uma adolescente de 13 anos que está se virando sozinha depois que a mãe a abandonou.

Rie: Como... Como vou encontra-la?

- Eu te guiarei e você vai saber de tudo. A guerra começa em exatamente 2 anos, é tempo suficiente para que você conheça e cuide de sua irmã, crie um laço para que essa menina não se perca. Ela vai te ver como um rapaz a quem ela não conhecia, são meio irmãos, não foram criados juntos, pode ser uma relação difícil, mas faça tudo por ela.

Rie: Sim senhor, darei o melhor de mim.

- Mas uma coisa...

Rie: Sim?

Mais uma vez levantei os olhos, dessa vez involuntariamente, Deus queria que eu o olhasse.

- Sua irmã é uma das crianças escolhidas na profecia... As almas amaldiçoadas com o dom de ver qualquer ser espiritual de qualquer espécie mesmo que ele esteja oculto aos outros humanos, as almas cujo corpo possuem o sangue que cura aqueles que são sedentos desse liquido, cuja carne quando consumida por seres da escuridão, dão a eles a imortalidade, almas que serão perseguidas por demônios e youkais que querem de toda forma mais poder para a guerra. Encontre sua irmã, procure as outras crianças, elas tem uma aura que lhe permite saber quem são, essa é sua missão Rie Kira, proteger essas almas tão cobiçadas, encontre todos esses em pelo menos dois anos, com eles por perto será mais fácil protege-los. Setsume Hatori vai acompanha-lo nessa jornada, vocês serão uma dupla, mas terão outras duplas que irão até você posteriormente para ajuda-lo.

A cada palavra do meu senhor meu corpo estremeceu, a responsabilidade começou a pesar em minha consciência e agora meu instinto de proteção me guiaria.

O rumo de outras vidas deve ser decidido enquanto se está apto a isso, se é preciso dar sua vida para salvar outra, á de.

- Agora vá, prepare-se para sua missão e dedique-se ao seu destino. Estarei com você, filho. Confio em ti.

Tudo ou nada para minha vida...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Rie Kira

avatar

Mensagens : 34
Pontos : 50
Data de inscrição : 20/09/2010
Idade : 25
Localização : Nowhere land

MensagemAssunto: Re: Welcome To The Hell [Repostagem revisada]   Sex Dez 02, 2011 8:06 pm

No fim eu perdi o arquivo revisado, ainda bem que tenho os caps novos. Vou postar o que tenho, acho. O que der.


O primeiro demônio

Há 6 bilhões 470 milhões 818 mil 671 pessoas no mundo, algumas estão fugindo assustadas, algumas estão voltando pra casa, algumas dizem mentiras pra suportar o dia, outras estão somente agora enfrentando a verdade, alguns são maus indo contra o bem e alguns são bons lutando contra o mal; alguns sofrem, outros comemoram vitoriosos; alguns estão sentados esperando a maldita sorte passar e segurar suas mãos, outros correm destemidamente à procura da felicidade.

Seis bilhões de pessoas no mundo, seis bilhões de almas. E ás vezes tudo que nós precisamos é de apenas uma... (One Tree Hill)
Almas...

Minha respiração estava ofegante, eu caminhava sem rumo em minha forma humana seguia apenas o instinto, Deus me disse que eu saberia para onde ir e me corpo me dizia o mesmo, mas era ainda sim estranho ser guiado por meus pés automaticamente.

Set vinha me seguindo na maior calma lá atrás, droga de visão de tengus aguçada, ele me via mesmo de longe... Apelativo demais para o meu gosto.

Rie: Corre Set!

Set: Rie-chiiin, qual é. Eu não vou me perder de você, eu te vejo à metros de distância, desencana e me deixa andar devagar.

Rie: Preguiçoso maldito você vai ver quando eu tiver sob controle do meu corpo eu vou te-

Parei bruscamente de correr, estava na frente de um prédio escuro, horripilante pra ser mais exato, parecia abandonado, vazio há anos. Não poderia ser esse o lugar...

Set: Você vai o que Rie-chin? – disse ao se aproximar de mim.

Rie: Calado.

Set: O que eu fiz agora Rie-chin?

Rie: CALADO!

Set: Pf... Anjo temperamental.

Rie: SET CALA ESSA BOCA E ME DEIXA OUVIR.

Era um murmúrio baixo, mas eu sabia que era um gemido de dor, vinha de dentro do prédio. Sem saber nem o porque e nem como assumi minha forma angelical, a mesma coisa que antes só que com as asas presentes em mim. Levantei voo imediatamente, o Set exaltado já me seguiu ao deixar aparecer suas asas negras.

Rie: Ta ouvindo?

Set: Um gemido de dor e gritos abafados?

Rie: Eu preciso ver o que é agora.

Comecei a voar mais rápido, os barulhos vinham da cobertura, assim que nos aproximamos da altura dos últimos andares senti um cheiro forte que não reconheci de imediato, me virei pro Set e sua face estava pensativa e preocupada, a presença ali era maligna, não havia duvidas.
Pousamos na sacada observando tudo a nossa volta, era grande, tinha um espaço amplo, com várias coisas destruídas e... Corpos... Pessoas mortas, dilaceradas, na grande maioria mulheres jovens que um dia foram bonitas, todos os corpos despidos e com marcas de cortes e dentes próximo as regiões intimas e dos seios.

Set: Demônio pervertido sádico maldito... – murmurou ao meu lado.

–Não... Não... Por favor... Me mata como os outros tentaram... Por favor... Me mata de uma vez.

Olhei através da grande porta de vidro que dava entrada para o apartamento que um dia foi luxuoso e avistei por cima aqueles cabelos loiros esvoaçados na menina de olhos claros que não pude muito bem definir a cor, ela estava chorando, a face inchada pelo choro e marcada por unhas, estava amarrada à parede apenas de roupas intimas e com o corpo ferido e coberto pelo próprio sangue... Viva... Mas ferida... Consumida.

Rie: Miwa...

Set: Rie-chin, quieto, ele sente nossa presença, mas se voltarmos as nossas formas ele vai demorar a nos encontrar...

Assim fizemos, voltamos os dois a forma humana para camuflagem, me escondi atrás da muretinha da sacada tentando não entrar lá dentro com tudo e arrancar minha irmã de lá.

–Matar? Kukuku... Pra que matar uma garota tão bela?...

Aquele ser escroto e maligno passou o que parecia ser uma língua no pescoço dela onde havia um pouco de sangue. Ele era preto, com asas de morcego, um corpo totalmente estranho, um monstro... Um demônio...

–Porque eu te mataria? Você é uma garota especial... Não é como as outras, querida...Não é assim... –cospe no chão onde estava um cadáver estendido- Descartável... Eu me alimento da dor e do sofrimento, faze-la sofrer nas minhas mãos por anos e anos será tão, mas tãoooo excitante... Seus gritos... Seu choro... Seu sangue... Tudo isso vai me alimentar. Ainda mais que eu isolei a área, ninguém seria louco de vir lhe tocar, você me pertence Miwa... Sua alma é minha...

Ela naquele momento chorava tanto, chorava de soluçar, chorava amargamente de forma dolorida, partindo meu coração ainda mais, logo na minha primeira vez na terra...
Logo no início... Eu sou inexperiente, o que eu posso fazer?

Sem pensar, com um salto e novamente em minha forma angelical quebrei a porta de vidro, passando por ela e caindo em cima do demônio, a espada sagrada havia se materializado em minhas mãos e eu a enfinquei no corpo daquele que ameaçava minha irmã.
Um grito de dor do demônio, um suspiro de surpresa da Miwa e um “Ah é, a garota” do Set, me vi em meio a uma luta, a primeira de muitas. Set soltou minha irmã e voando rapidamente a levou para baixo onde era seguro, logo em seguida voltou para me ajudar.

Fui jogado pra longe por prestar atenção em todo o percurso dele que deixaria Miwa a salvo. Bobagem minha, eu sei, mas naquele momento eu não fazia ideia do que fazer.

Set: Presta atenção Rie-chin! – gritou comigo e colocou minha espada que havia caído longe na frente do demônio que estava prestes a me atacar.

Rie: Gomen...

E para minha surpresa aquele demônio não estava em sua forma normal. Em menos de um segundo ele triplicou de tamanho, feiura e força, suas asas se estenderam arrancando o teto do apartamento e deixando a cobertura a amostra para quem quisesse ver.
Sem nem pensar em outra coisa Set e eu estendemos as asas e voamos para sair do caminho dele, mas uma luta no céu não seria uma boa.

Set: Rie-chin... Hora de mergulhar.

Ao dizer isso ele juntou as asas ao corpo e com uma velocidade incrível deu literalmente um mergulho pra dentro do grande edifício de onde o demônio havia saído.
Segui ele voando em zig-zag, jogando algumas coisas pra atrás, por sorte, ou azar não sei o que poderia definir aquilo, o demônio ficou preso em um caminho um tipo de armadilha.

O único problema foi que para ele sair dessa armadilha ele quebrou tudo em volta, nos prendendo no lugar por completo e fechando as saídas mais próximas.

Rie: Kuso! Kuso! Estamos encurralados! – disse ao me encostar numa coluna para me esconder.

Set: Rie-chin... Eu apenas acho que temos um problema... – Set falou com uma face assustada enquanto se movia lentamente para atrás.

Rie: Que problema seria maior que um demônio estar cercando a gente nesse lugar, Set?

Set: Ele estar atrás de você por exemplo...

Com um salto pro lado fugi da garra que me atingiria naquele momento, Set fez uma explosão acontecer no demônio e ele caiu pra atrás sem um dos braços. Como? Não faço a mínima ideia.

Rie: Como você fez isso?

Set: Treinamento de Tengu. – respondeu na maior naturalidade – Se liga nisso.

Ele levantou os dois braços em “x” na frente do rosto, fechou os olhos e quando abriu os braços num movimento pra frente e com as asas negras em sincronia uma luz de um brilho intenso saiu em direção do demônio que avançava e cortando-o no meio fez ele virar cinzas tomando o local com aroma de enxofre.

Fiquei por um segundo parado perplexo. Meus lábios estavam semiabertos, soltei um leve suspiro e olhei para o Set que fazia uma dancinha da vitória ridícula.

Set: Eu sou zica, mano! Falae, eu sou o cara, o melhor tengu.

Rie: Set...

Set: Sim?

Rie: PORQUE VOCÊ NÃO FEZ ISSO ANTES SEU IMBECIL? FIZESSE ISSO QUANDO ELE TINHA TRÊS VEZES MENOS DE TAMANHO E FEIURA.

Sim eu comecei a soca-lo. E não, não somos idiotas... Só ele.

Set: Rie-chin, PARAA! Tira a mão de mim seu anjo maníaco! Me larga

Rolamos para o canto onde restavam as cinzas do demônio, infelizmente era lá que tinha um buraco e foi ali que nós caímos quebrando o que restava de andar em andar até atingir o chão.

Set: Caralhooo... Essa doeu. – com a mão na cabeça.

Rie: Você vai ver o que vai doer! – saltei pra cima dele estrangulando-o mas algo me interrompeu.

Miwa estava parado nos encarando, agora enrolada em um lençol e com uma das mãos na boca pensativa e com um olhar confuso.

Miwa: Nii... nii-sama?

Levantei os olhos e Set inclinou a cabeça pra atrás para olha-la.

Miwa: Nii-sama... Você é o meu nii-sama? O que Deus ia mandar pra mim?

Rie: Miwa... Como sabe de mim? – disse levantando-me.

Antes mesmo de responder ela saltou em mim me abraçando e me deixando visivelmente constrangido, ela estava só de roupas intimas e toda machucada.

Miwa: Nii-sama! Deus te mandou pra mim! Mandou mesmo! Papai não mentiu...

Rie: Papai?

Miwa: Sim, Eros...

Rie: Você falou com o papai? Zeus permitiu isso?

Miwa: Zeus nem sabe disso... Ninguém sabe... Foi um trato do papai e de Kami-sama, já que papai deu você pra eles, depois disso ninguém mais se intrometeria nas nossas vidas, porque é sua missão cuidar de mim, foi o que o papai disse. – e sorrindo me abraçou ainda mais forte.

Sabe quando se recebe um abraço inesperado e você fica que nem um pateta com os braços abertos e olhando confuso pra quem te abraçou? É, imagino que não saiba, mas eu sei, porque eu fiquei assim, mas logo retribui o abraço e sorri carinhosamente pra minha irmã. Deus disse que seria um relacionamento difícil e por enquanto eu creio que melhor impossível... Será que eu terei outro tipo de problema?

Set a encarava de forma estranha, segui o olhar dele e vi grandes cortes nas costas dela e minhas mãos ensanguentadas.

Rie: Você pode...?

Set: E-Eu não vou fazer isso! Não com sua irmã... Não com você aqui...

Rie: Set... Por favor...

Miwa: O que nii-sama?

Rie: Ele pode cura-la...

Miwa: Seria bom... Isso dói...

Set me olhou com grande pesar e depois olhou novamente para os ferimentos dela, engoliu em seco e com um suspiro assentiu pra mim.

Set: Fica perto... Não quero toma-la a força... Afinal... Eu ainda dou um espírito e o sangue dela ainda me afeta.

Miwa me encarou sem entender nada, mas eu assenti para que ela fosse perto dele. Set segurou firmemente nos ombros da minha irmã e falou em seu ouvido.

Set: Vai doer... Isso é certeza, mas ao menos você vai ficar sem nenhuma cicatriz.

Ela assentiu e fechou os olhos. Logo Set começou o trabalho, a língua dele passava por todos os ferimentos delas, sugando as infecções e fazendo os cortes desaparecerem automaticamente. A saliva dos youkais da classe dos tengus e dos youkos cura ferimentos, mas esse tipo de coisa é muito perigosa, o contato corpo a corpo com os humanos, o gosto do sangue na boca... Só um youkai que tenha muito autocontrole pode curar uma garota como a Miwa sem sentir uma vontade incontrolável de possuí-la a força, ou alimentar-se dela. Por mais que sejam bons eles ainda são espíritos e eles tem suas necessidades, mas eles não vivem de humanos claro, os templos que os cultuam faz a força vital deles crescerem.

Rie: Set...

Ele arregalou os olhos e se afastou com a mão no rosto, era o limite dele. Miwa desabou ao lado, ter uma língua em ferimentos profundos dói muito e depois de tudo que ela passou deveria estar exausta. A peguei no colo e me virei para meu amigo tengu.

Rie: Valeu pelo esforço...

Set: Ta... –respondeu ofegante- Mas vamos logo pro local onde vamos residir, não é só ela que precisa descansar depois disso.

Rie: Valeu, maninho...

Set: Relaxa...

Agora só me falta encontrar os outros... Mas quantos deles são?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Rie Kira

avatar

Mensagens : 34
Pontos : 50
Data de inscrição : 20/09/2010
Idade : 25
Localização : Nowhere land

MensagemAssunto: Re: Welcome To The Hell [Repostagem revisada]   Sex Dez 02, 2011 8:13 pm

O trabalho de um guardião


Eu cai em um sono profundo, só acordei na manhã seguinte com a Miwa me olhando de perto e analisando minhas asas com as mãos, dormi na forma angelical, grande erro pra se cometer Rie!

Miwa: Ohayo onii-sama

Rie: B-Bom dia... Bom dia... Dia? Eu dormi de ontem de tarde até agora?

Set se aproximava com uma espátula na mão e trajando um avental: É, preguiçoso.

Rie: Eu... Eu nunca durmo tanto.

Set: Ficar na forma divina cansa, Rie-chin.

Rie: Ah...-suspirei e levantei-me lentamente, olhei para minha irmã e reparei que ela ainda trajava roupas intimas – Por que ainda está assim Miwa?

Ela se olhou de cima abaixo e com uma cara de culpa me respondeu.

Miwa: Eu estou... Estou sem nenhuma roupa... Não tenho mais... Aquele demônio ele...

Rie: Ele? – instiguei-a a continuar.

Miwa: Ele queimou minha casa, todos acham que morri – e com um suspiro leve e tristonho ela novamente me abraçou trajando apenas calcinha e sutiã. Isso não vai prestar.

Set: Rie-chin porque você ta vermelho? – disse o idiota do Set me encarando com o rosto tombado pro lado.

Rie: E-Eu não to vermelho! E Porque você ta com esse... Avental... HAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Ele me encarou de cara feia, mas era impossível não rir dele daquele jeito.

Rie: Nossa mano, seu avental é rosa com rendinhas HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Set: Filho duma...

Rie: NÃO XINGA A MÃE MOLEQUE!

Set: Pf... Vadio...

Sorri de lado e me levantei saindo dos braços da minha irmã, era melhor voltar a minha forma humana, tomar um banho e sair em busca de mais crianças especiais, o Set pode cuidar da Miwa sozinho... Eu acho...

Rie: Eu vou tomar um banho...

Miwa: Eu vou junto!

Arregalei os olhos e me virei para minha irmã, ta certo, AGORA eu estava totalmente vermelho. Set deixou até a frigideira quente cair no chão e espirrar o ovo no pé dele.

Set: ITAAAAI! PUTA QUE O PARIU!

Rie: Seu boca suja fica quieto!

Miwa: Posso nii-sama?

Rie: C-Claro que não! Não... Nós não podemos tomar banho juntos.

Miwa: Por quê?

Rie: P-Porque não ué! Isso... Isso não é algo certo... Somos irmãos.

Set: Se não fossem podia – sorrindo.

Rie: Nem se não fossemos! N-não dá pra um cara tomar um banho com uma garota de boa... Se é que me entende.

Miwa baixou a cabeça e deu um sorriso fraco e decepcionada: Gomen então...

Rie: Tudo bem... er... Você não sabia.

Virei-me e fui indo em direção ao outro quarto, ficaria em minha forma humana e tomaria um banho. No caminho dei um pedala no Set que murmurou uns palavrões baixo e logo voltou a cozinhar.

Já em minha forma humana tirei a camisa e fui com o dorso nu em direção ao banheiro que ficava logo ao lado daquele pequeno quarto, terminei de me despir e entre no banho deixando a água quente escorrer por minhas costas e aliviar a tensão, levantei o rosto para que a água caísse tirando meus cabelos da minha face. Respirei fundo e enquanto tomava meu banho meus pensamentos foram longe.

Como eu seria capaz de cuidar de todas as crianças especiais? Só espero que a ajuda chegue logo... E só agora percebi o que Kami-sama quis dizer com relação complicada. Suspirei e parei imóvel sentindo a água sobre mim.

Deus... Me de forças...

Desliguei o registro e passei as mãos pelo meu corpo pra tirar o excesso da água, peguei a toalha do canto sequei um pouco meu cabelo e balancei a cabeça pra deixa-lo tecnicamente arrumada, sequei meu corpo e olhei pelo banheiro.

Droga... Não peguei roupa alguma.

Enrolei a toalha na cintura e abri a porta vagarosamente espiando primeiro para ver onde a Miwa e o Set estavam. Sai de fininho olhando para o lado oposto do quarto e quando virei, para o meu azar esbarrei em alguém.

Miwa: Nii-sama... – murmurou quando me analisou de cima a baixo.

Rie: Er... Licença rapidinho – pedi e ela deu caminho.

DROGA! Nós somos irmãos, meios-irmãos, mas somos... Isso é muito complicado, não posso deixa-la alimentar um sentimento desse jeito.

Sai rapidamente fechando a porta do quarto. Ao estar sozinho no recinto tirei a peguei uma roupa e coloquei, mas antes que eu pudesse colocar uma camiseta algo estranho aconteceu.

Foi um baque intenso e de repente me vi assim, com uma camisa nas mãos, em minha forma humana, de cabeço molhado e sendo cercado por 3 demônios menores a frente de uma garota de uns 10 anos, cabelos castanhos com reflexos loiros, sua pele alva escorria suor misturado com sague de seu ferimento na cabeça, seus olhos verdes esmeralda estavam tão confusos quanto minha face. Olhei em volta com um lance rápido e logo assumi minha forma angelical com a espada materializada nas mãos. O rosto da garota tomou uma expressão de choque junto com a anterior confusão, seus olhos me escaravam desconfiados, mas eu pude sentir em sua aura que ela era uma das crianças especiais.

Rie: Fica atrás de mim. – falei enquanto enfincava a espada no peito de um dos demônios e ele se desfazia em pó deixando o cheiro de enxofre no ar.

A garota assentiu e correu pra atrás de mim enquanto eu desferia os golpes. Levei um arranhão no rosto, um corte profundo das unhas de um dos demônios, virei com a espada direto na face dele e com ele ainda na espada a enfinquei no último demônio, os dois se desfizeram juntos e com um suspirou de alivio apoiei a espada no chão.

Rie: Ah droga, eu tinha acabado de tomar banho, to todo sujo de novo... E to sangrando.

Virei para a menina de novo, ela não se pronunciou até agora e nem me explicou o que aconteceu, talvez ela também não saiba, mas eu vou perguntar.

Rie: Então... Vai me explicar o que aconteceu aqui?

Ela continuou em silêncio apenas me analisando com a mesma desconfiança.

Rie: Olha, falando sério, eu que deveria estar te olhando desse jeito desconfiado, eu nem sei como vim parar aqui e ainda te salvei daqueles demônios, poderia agradecer não? Ou pelo menos falar seu nome...

Ela levantou-se do canto que estava e veio até mim.

Lana: Meu nome é Layana, só Layana, mas prefiro que me chamem de Lana. E você é?

Rie: Rie Kira... Por acaso... Por acaso você é Shaman?

Lana me olhou bem nos olhos e fez que sim com a cabeça, a confusão parecia ser menor agora, ela tocou em minhas asas e me olhou de novo, eu precisava digerir aquilo então fiquei em silêncio, até que uma coisa me veio a mente.

Rie: O que exatamente você fez?

Lana: uma invocação... Invoquei meu guardião... Parece que é você. Você é um anjo ou arcanjo?

Rie: Anjo... mas-

Lana: Então porque você é tão tão tão parecido com um homem?

Rie: É algo complicado... Onde está sua família?

Ela virou o rosto emburrada e murmurou baixo.

Lana: Quando minha mãe estava gravida de cinco meses de mim, meu pai fugiu e nos abandonou, deixando minha mãe sozinha. Quando eu nasci, meu pai me levou pra morar com ele, deixando minha mãe sozinha, tirando a única pessoa que ela amou de verdade. Então ela começou a rezar todos os dias, para que Deus manda-se alguém para me proteger. Até que m dia minha mãe morreu, com um tiro no peito. Quando completei 4 anos, meu pai me contou que tinha câncer. No meu sétimo aniversário, meu pai morreu em um acidente de carro, levando minha madrasta e seus dois filhos no carro, que morreram na hora, meu pai morreu assim que chegou ao hospital. Des daquele dia vivi sozinha, sendo protegida pro um anjo. Sempre fugi dos orfanatos, tendo medo que amaria mais meus pais adotivos, do que amei os biológicos. Hoje eu fugi mais uma vez... Só que ao invés de me esconder como sempre, eu me perdi, corri por todos os lados procurando abrigo, até que fui encurralada por esses três.

Ela respirou fundo, voltou os olhos pra mim e continuou.

Lana: Meu pai já tinha me dito da minha habilidade e que em minha família existiam shamans, quando soube que ele morreria eu busquei aprender mais sobre e descobri sobre os guardiões e as invocações... Sabe... Hoje é meu aniversário... E eu descobri que você é meu guardião.

Sorri de forma fraca, não sabia o que dizer, tinha mais uma responsabilidade, mas estava feliz por aquilo, sinceramente feliz. Eu farei tudo para proteger mais essa criança que apareceu em meu caminho.

Rie: Então vem comigo, minha protegida. Eu farei o trabalho de seu guardião em tempo integral – estendi a mão pra ela.

Meio hesitante ela foi estendendo a mão devagar até que enfim pego em minha mão e a pegando nos braços voei de volta para o local em que nos refugiávamos. Agora é só arrumar comida e roupas.

São duas agora... Quantas mais faltam?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Rie Kira

avatar

Mensagens : 34
Pontos : 50
Data de inscrição : 20/09/2010
Idade : 25
Localização : Nowhere land

MensagemAssunto: Re: Welcome To The Hell [Repostagem revisada]   Sex Dez 02, 2011 8:17 pm

O tengu


Voar de volta pra casa com a Lana nos braços não era pior do que o olhar de desconfiança que ela persistia em lançar sobre mim. Isso ai, sempre desconfie do anjo... Tsc...
Acho que terei problemas... Sinto que terei problemas...

Rie: É aqui – disse ao pousar e coloca-la no chão para que subíssemos ao apartamento.

Lana: Eu vou morar com você?

Rie: Tem algum outro lugar pra ir?

Lana parou por um segundo: Tudo bem... Acho que não tenho motivos pra desconfiar de você.

Soltei um suspiro, finalmente, depois de certo tempo de voo, ela entendeu isso. Não a culpo por desconfiar, no lugar dela eu também desconfiaria. Entramos no prédio e fomos em direção ao elevador, Deus arruma tudo quando se trata de missões, chega a ser confortável demais.

Chegamos ao andar e fomos em direção a porta, mas quando eu coloquei a mão na maçaneta a porta se abriu em um baque.

Set: RIE-CHIN ONDE VOCÊ TAVA? VOCÊ TEM NOÇÃO DE COMO É PERIGOSO EU FICAR SOZINHO COM ESSA MENINA? TEM NOÇÃO? RIE-CHIN NÃO SOME ASSIM!

Rie: Set... Temos companhia.

Set olhou para Lana e depois pra mim, lançou um sorriso pra ela e depois continuou: VOCÊ AINDA TRÁS MAIS UMA GAROTA KAWAII PRA ME MATAR É? TA LOUCO?

Certo, minha atitude que segue a esse surto do meu amigo não é nada legal pra início de convivência com a minha protegida, mas... Eu não tive escolha, todos viram isso.

Dei um tapa na cara do Set que me olhou com os olhos arregalados e depois colocou a mão no rosto.

Set: Nhaa Rie-chiiiiiiiiiiiiiiin! Itte!

Rie: Era pra doer mesmo! – olhei pra Lana e percebi que ela estava com uma cara de assustada e já tinha dado alguns passos pra atrás – Acabou o drama?

Set: Sim...

Rie: Certo. Essa é a Lana, ela é uma das escolhidas, ela é uma shaman e ao que parece eu sou o guardião dela.

Set: Yo Lana-chan... – cumprimentou sem olhar pra Lana ainda olhando pro chão e com a mão no rosto.

Lana: Oi... – e se afastou um pouco mais.

Rie: Lana, esse é o Set, ele é idiota, assusta, mas não faz nada, é um tengu e me ajuda nas missões, relaxa, ele é bobo demais pra fazer qualquer coisa...

Set: Não ofende Rie-chiiin.

Lana: Tudo bem... Eu acho... Mas ele me dá medo.

Rie: A mim também... Pode acreditar – disse isso e com a mão no ombro dela a direcionei pra dentro – Temos alguns quartos aqui, eu não durmo muito, mas aquele é meu quarto -disse apontando -O Set dorme no sofá, a Miwa pegou um dos quartos... Alias cadê a Miwa?

Set: Er... Bem...

Encarei-o esperando por uma resposta enquanto a Lana olhava a casa.

Set: Eu... Não... É que... ELA SAIU SOZINHA EMBURRADA DEPOIS QUE EU MEIO QUE QUASE ME DESCONTROLEI COM A PROVOCAÇÃO DELA, PRONTO FALEI!

Apesar de não ter entendido quase nada eu senti meu sangue ferver.

Rie: COMO VOCÊ A DEIXA SAIR SOZINHA SEU IDIOTA? E COMO ASSIM PROVOCAÇÃO?

Set: Rie-chin, ela tava querendo dar uvas na minha boca... Com a boca. – ele se jogou na poltrona ficando esparramado – Sabe o que é ter provado o sangue dela e ela ainda provocar desse jeito? Qualquer contato é terrível!

Ta... É mais difícil do que eu pensava, ela tem problemas.

Rie: Ta... Fica aqui com a Lana e eu vou atrás dela.

Lana: Eu não fico aqui sozinha com ele! – pronunciou-se de repente – Sem ofensas... Mas eu por enquanto só confio em você, Rie-kun.

Rie: Tudo bem... Lana vem comigo então, mas então não poderei voar. Que problema.

Set: Eu vou atrás dela então... Eu fiz a merda, eu resolvo. Não precisa me deixar aqui como um garotinho de castigo. Alias, o Usui-sensei me disse o que fazer em ocasiões como essa.

Ele se levantou antes que eu pudesse dizer algo e com as asas a vista saiu pela sacada do apartamento cidade a fora. Acho que as mutações de aparência dos tengus e youkais são complexas demais até pra mim, antes, quando youko, o Set estava com a aparência natural, os cabelos acinzentados quase pratas, um tom anormal de cabelos cinzentos, que nem do idiota do Shuhei, mas agora toda vez que ele deixa transparecer a aparência tengu dele, mesmo que só as asas, ele fica mais obscuro, por completo, os cabelos chegam a ficar tão escuros que ficam quase pretos, ele fica com aquela aura, a mesma que o líder do clã dos tengus tem, a do espírito tengu, a do corvo, eu nunca vi a forma normal do Set, a forma mística, mas todos dizem ser algo muito próximo a aparência do mestre dele, todos se surpreenderam com a mudança dele, todos se surpreenderam porque ele superou até mesmo os que pareciam ser mais dignos de possível sucessão ao líder do que ele... Sim, ele é o sucessor na liderança dos tengus desses clãs.

Os Usui acolheram os Hatori e as outras espécies de poder similar ao deles para treina-los e desenvolve-los, grande honra pro Set, que se matou de treinar pra poder ser aluno do líder deles. Essa espécie de tengus se diferencia dos tengus vermelhos, a forma original deles tem variação a de corvos, por destaque as asas negras e a aura obscura. Seres místicos são complexos até nesses pontos, por mais que você os conheça mais você descobre não saber sobre eles. Ao mesmo tempo em que sei muito sobre ele, não sei nada... Estranho.

Lana levantou os olhos pra mim, talvez se questionando porque eu não abri minha boca e não me movi desde que o Set saiu janela a fora.

Rie: Desculpe... Eu estava pensando.

Lana: Tudo bem... Mas só me explica. Como minhas roupas vieram parar aqui?

Rie: Roupas...?

Sai em direção ao quarto vago e abri o guarda-roupa lá situado, ele estava repleto de roupas femininas exatamente do tamanho da Lana... Eu acho.

Rie: Não faço ideia... Mas quem liga. – dei de ombros e me virei pra ela ao fechar a porta do quarto – Está com fome?

Lana: Um pouco...

Rie: Vou fazer algo pra você comer.

E voltando a cozinha me coloquei a cozinhar.

Ficamos pouco tempo esperando o regresso do Set, Lana comeu e foi dormir um pouco, eu, por minha vez, fiquei fazendo planos para esses dois anos. Qual a melhor forma de encontrar adolescentes? Frequentando lugares onde eles costumam frequentar, alias, nesses dois anos a Lana e a Miwa precisam estudar também. Decidido, vamos todos pra uma escola.

Set abriu a porta com rapidez, uma expressão séria estampada no rosto.

Set: Aqui. – empurrou Miwa pra dentro – A fujona que explique-se, eu estou indo descansa no seu quarto, Rie.

E assim saiu enquanto eu escarava minha irmã e esperava por respostas.

Miwa: Ta... Tudo bem nii-sama... Minha culpa! Não me olhe com essa cara de bravo – e fez bico fingindo choro.

Rie: Você não sai mais dessa casa. Não se não estiver acompanhada e quando digo que não sai, quero dizer NUNCA MAIS. Entendeu? – levantei-me e fui com minhas anotações pro quarto antes que o Set dormisse para explicar a ele o que precisamos e deixei a Miwa com seus dramas.

Bati na porta e ele resmungou para que eu entrasse, ele estava esparramado na cama com o braço sobre a testa encarando o teto pensativo, aproximei-me sentando na cadeira no outro canto e começando assunto.

Rie: Tenho planos.

Set: Eu vou ser professor...

Rie: Que?

Set: É óbvio que teremos que ir para algum colégio, é mais fácil eu me parecer mais velho, um professor, do que um aluno. Eu que não ficarei estudando que nem um condenado, nunca fui bom em assunto de "escola", mesmo quando criança nós tínhamos que aprender os conceitos do clã e eu nunca fui bem nesses tipos de estudos. Você, a Miwa e a Lana vão estar matriculados, eu cuido disso. Segundo ano do ensino médio pra você ter os dois anos, Sétima série pra Miwa, pela idade e Quarta série pra Lana. Eu vou dar aula pras salas do pessoal mais novo, da Lana, por precaução, da Miwa cuida você, me recuso a ter problemas.

Parei por um segundo fitando-o e dei um suspiro antes de perguntar.

Rie: Quando pensou nisso tudo?

Set: Eu estou sempre pensando... Por mais que não pareça, eu faço planos a cada segundo da minha vida. E isso era algo óbvio, tão óbvio que eu até tenho um diploma pra lecionar – disse tirando uma pasta com um diploma de debaixo da cama.

Rie: Eficiente não?

Set: Pelo menos pra isso sim... Posso ser um idiota, Rie-chin. Não levar as coisas a sério na maior parte do tempo, parecer estar fora de órbita, mas eu tive quem confie em mim... Sabe qual o peso de ser discípulo do líder do clã? Sabe quanto esperam de mim? A única coisa que devo fazer é superar as expectativas... É o mínimo que faço. Surpreender as pessoas deve se tornar um hábito meu.

Assenti com a cabeça. Ele estava mesmo bem mais diferente do que eu imaginava. Continuamos ali planejando os próximos dois anos quando de repente a campainha tocou. Trocamos olhares desconfiados, ninguém sabia que estávamos ali, talvez algum ser espiritual esteja querendo nos atacar. Sai do quarto indo rapidamente para a sala e olhando no canto vi as meninas afastadas fitando fixamente a porta, estavam tão surpresas quanto nós, Set veio atrás de mim com a espada em mãos, parei de um lado da porta e ele do outro, ele olhou no olho mágico por um segundo e depois com uma face surpresa largou a espada e abriu a porta.

Ali estava uma pessoa que eu nunca vi.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Welcome To The Hell [Repostagem revisada]
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Go to Hell
» Demônio de hell
» Let's Go in a Highway to Hell

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
FanFuck :: Fanfictions :: Fanfucks-
Ir para: